AFINAL, ARQUITETO PODE OU NÃO SER MEI?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Descubra tudo sobre iluminação

Um dos assuntos mais discutidos pelos arquitetos é como trabalhar na legalidade na área. Por isso hoje vamos falar sobre algumas formas de como formalizar o seu negócio.

Em primeiro vamos falar sobre o famoso e tão falado MEI:

MEI significa microempreendedor individual. Para ser um MEI é necessário faturar hoje até R$ 81.000,00 por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e ter no máximo um empregado contratado que receba o salário-mínimo ou o piso da categoria. O MEI será enquadrado no Simples Nacional e ficará isento dos tributos federais tais como Imposto de Renda, PIS e outros. Porém, infelizmente os serviços que dependem de uma regulamentação específica para serem prestados não podem se formalizar como MEI. Como exemplo: arquitetos, médicos, advogados, engenheiros e dentistas.

Ok, se eu não posso ser MEI quais outras alternativas eu tenho para abrir a minha empresa?

Empresário Individual (EI)

Uma alternativa para quem não pode ser MEI é regularizar suas atividades como Empresário Individual. Nesse modelo, o empresário realiza suas atividades em nome próprio, como titular do negócio, e é ideal para quem não pensa em ter sócios.

Empresário Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

A EIRELI é outro tipo de empresa individual que pode ser interessante para quem não pode se regularizar como MEI. Diferente do empresário individual esse tipo de empresa a responsabilidade é limitada, ou seja, caso a empresa adquira dívidas, o patrimônio pessoal do empresário não é afetado.

Sociedade limitada (LTDA.)

Por fim, quem não pode ser MEI também tem a opção de se formalizar como sociedade limitada, caso deseje ter sócios. A sociedade limitada é um tipo de sociedade coletiva onde os sócios adquirem cotas de participação determinando o percentual que cada um possui da empresa.

As 3 alternativas acima se enquadram no Simples Nacional que nada mais é que um sistema mais simples de recolhimento de tributos de micro e pequenas empresas.

E ai gostou da dica? Ficou com alguma dúvida sobre o tema? Conta aqui embaixo para a gente o que você achou.

Até a próxima, abraços.

Marina

Marina

Deixe seu comentário

Assine para receber novidades

Fale com uma consultora:
Rolar para cima